“Chula da Guia”

Treixadura – Chula da Guia (na Televisão de Galiza durante a Gala de Homenagem a Zeca Afonso em Pontevedra, a 25 de Abril de 2007)

«Nosa señora da Guía
guía os homes do mar’e.
Veña ver a barca a vela
que se vai deitar no mar’e.
Nosa señora vai dentro
e os anxiños a remar’e.

Nosa señora da Guía
a guía dos mariñeiros,
guíame a miña cuadrilla
toda de mozos solteiros.

Teño máis de mil amigos
aquí non me sinto só,
cantarei ao desafío
ninguén teña de min dor.

Na i-alma se me cravou
a espiña do teu querer,
anque afellas me deixaron
soio para padecer,
neste mundo si hei vivir’e
outro amor non hei de ter.

Quen non viu cantar un vello
non sabe o que é cantar’e.
…….
Nosa señora da Guía e Chula da Póvoa son os nomes cos que se coñece esta melodía en Galiza e Portugal. Máis alá das liñas trazadas nos mapas, esta melodía lémbranos a inmensa cultura popular que compartimos co país veciñol.» Fonte

Via aja

Anúncios

Torradinhas

Torradinhas
Vamos ver a lancha nova,
Vamos ver a lancha nova
Que se vai deitar ao mar,
Que se vai deitar ao mar.

Nossa Senhora vai dentro,
Nossa Senhora vai dentro
E os anjinhos a remar
E os anjinhos a remar.

Coro:
Torradinhas eram com manteiga
Torradinhas eram com manteiga
Para o fastio limão
Para o fastio limão
Assim como sou mansinha,
Assim como sou mansinha,
Também quero mansidão,
Também quero mansidão.

Mandei fazer um relógio,
Das pernas de um caranguejo,
Para contar os minutos
E as horas que tão não vejo.
(…)

LPCP-JAB (126)

No cantar só a sereia

No cantar só a sereia,
Na formosura o pavão,
Na brancura só a pomba,
E a rola na perfeição.
CPP-JLV(35)

Ouvi cantá-la Sereia
Lá no meio desse mar:
Muito navio se perde
Ao som daquele cantar.

Lá no meio desse mar,
Ouvi cantar, “escuitei”.
Saiu-me a Senhora Sereia
Lá no palácio d’el-rei.
TPP-JLV (118)

Esta noite, à meia-noite,
Ouvi um lindo cantar;
Eram os anjos do céu
Oua as sereias no mar.
TPP-JLV (118)