Eu fui ao mar à laranja

Eu fui ao mar à laranja
Às quatro da madrugada
Para dar ao meu amor,
Ó Rosa,
Numa manhã de geada.

Numa manhã de geada,
Numa manhã de calor,
Eu fui ao mar à laranja
Para dar ao meu amor.

Fonte com pauta
(in Estudos sobre o cante alentejano de António Marvão (1997) p.148 e 151. acessível on line em pdf aqui)

Aí vem o barco à vela

Aí vem o barco à vela
Aí vem sardinha boa,
Aí vem o meu amor
Assentadinho na proa.

Aí vêm as armações
carregadas de sardinha,
Vem o meu amor à proa
Amanhando pescadinha.

Além vêm barcos à vela
Deus lhes dê vento a favor,
Que vem assentado ao leme
Francisquinho, meu amor.
CPP-JLV (I-264)

O meu amor, coitadinho…

O meu amor coitadinho,
Anda na praia brincando;
Por amor de uma ondinha,
A maré ia-o levando!

O meu amor, coitadinho,
Anda ao frio, anda à neve:
À semana não no vejo,
Ao domingo não me escreve!
CPP-JLV- (I-147)

A roupa do meu amor

A roupa do meu amor
Não é lavada no rio:
É lavada no mar alto
à sombrinha do navio.

Não é lavada no rio
A roupa do meu amor:
É lavada no mar largo
à sombrinha do vapor.

CPP-JLV (I-118)

A roupa do marinheiro
não é lavada no rio,
é lavada no mar alto,
à beirinha do navio.

EBVNS-AV (93)